Follow by Email

sexta-feira, março 02, 2007

Ribeira de Sintra 1951


Hoje “viajamos” até à Ribeira de Sintra, com a publicação desta magnífica foto de Alexandre Granja de 1951, primeiros tempos da administração de Ricardo Rebelo Capela, o administrador que apostou tudo nos autocarros em detrimento dos carros eléctricos e realmente, a foto é sintomática.
Na Ribeira de Sintra “casa” dos eléctricos, só se observam autocarros.
Da esquerda para a direita, o Ford BE-11-42 de 1941(nº de frota 7), o Vulcan GG-16-05 de 1949 (nº de frota 12).
O carro ligeiro era propriedade de Ricardo Rebelo Capela. Era um Hudson, matricula GH-14-13 de 1948.


2 comentários:

Anónimo disse...

Boas
A Vulcam ainda estev ao serviço da Sintra Atlantico nos anos sessenta na carreira Praia das Maçãs/Azenhas do Mar (Complemento dos eléctricos)
Do Ford lembro-me vagamente.
Nesta foto vê-se do lado dto um outro autocarro que penso ser mais dos anos do Ford?
No edificio branco junto ao Hudson (carro, não o rio!)era o despacho de mercadorias, tipo CP!
E já agora atentando com mais atenção é de notar a diferença de construções ao lado dto da foto, encosta acima em direcção à Vila Velha.
Se a foto tivesse sido tirada 20 mts atrás ver-se-ia ainda o Matadouro MunicipaL de Sintra qua desapareceu no começo da decada de 60!

Cumprimentos
P Domingos

Anónimo disse...

É verdade. As Vulcan's (eram duas)estiveram ao serviço até 1971, ano em que foram abatidas ao serviço. Normalmente faziam somente a carreira Praia-Azenhas (que completava os eléctricos depois destes deixarem de ir até às Azenhas a partir de 1955) e a carreira para São Pedro.
O autocarro que se somente se observa a traseira é o nº2, Citroen com a matricula AC-47-52, adquirido pela Sintra-Atlântico em 1931..
Nos próximos tempos colocarei fotos destes autocarros assim como fotos da Ribeira mostrando como toda esta zona era muito estreita, antes da demolição do Matadouro.
A estrada que hoje sobe a encosta, ao lado do actual Centro de Ciência Viva, não existia, havendo somente um caminho de pé posto, juntamente com o riacho. Em conversa com moradores da zona, foi entre 1974-76 que, com o trabalho de todos, que o rio foi tapado sendo construída esta estrada, que foi sendo melhorada.
Valdemar Alves