Follow by Email

sexta-feira, março 09, 2007

Ribeira de Sintra - 1969-1973

Para terminar esta nossa viagem à Ribeira em tempos idos, hoje apresentamos 3 fotos pós demolição do Matadouro.
A primeira foi retirada do Jornal de Sintra de 15 de Novembro de 1969, onde se pode observar as obras de alargamento desta zona.
Portanto, o matadouro foi demolido talvez nesse ano ou no ano anterior.
A segunda, foi tirada também em 1969, mas tem um elemento principal, o eléctrico aqui dirigindo-se para a Praia das Maçãs, no momento em que passava em frente ao chafariz.
A terceira foto, de Agosto de 1973, já com o largo com o conhecemos actualmente (pelo menos parecido).
Tem a particularidade de se observar (não na sua plenitude) o autocarro Atkinson, já aqui falado em comentários num post anterior. Estas duas fotos (segunda e terceira) foram “descobertas” na Alemanha através da internet por Valdemar Alves, tendo adquirido os direitos sobre as mesmas.


RIBEIRA DE SINTRA- 1969


RIBEIRA DE SINTRA – Verão de 1969

RIBEIRA DE SINTRA- Agosto de 1973. O autocarro que se observa nesta foto é o nº 29 da Sintra-Atlântico. Atkinson com a sua 2º Carroçaria de 1966 construída pela Martins & Caetano em Vila Nova de Gaia. Matricula GE-20-04.

2 comentários:

José Cavalheiro disse...

Espectacular!
Está a recordar coisa que já se me tinham varrido da lembrança.
Continua que estou a gostar,
Eram tempos em que parava-mos para ir á fruta e apanhar o electrico na outra curva.
Fica bem

Anónimo disse...

Permita-me discurdar deste comentário em parte.
Embora se falasse ainda muito do que se fazia, dada a velocidade das composições, infelizmente já nesses tempos padecia a Zona de Colares / Sintra com a crescente falta de matéria prima para o nosso tão querido (mesmo para quem não bebe!) vinho de Colares: O Belo Ramisquinho, nas palavras do nosso, também saudoso, Poeta Cavador JOSÉ FERNANDES BADAJOZ nascido criado e vivido no Mucifal povoação mesmo juntinha à Adega Regional de Colares.

Quanto a estas obras, lembro-me destas perfeitamente, conquanto não fossem efectuadas logo após a saida do Matadouro ou suas instalações do local.

Continue assim para nosso contentamento.


P Domingos